Aloysio Silva Araújo

 

aloysio 1947

Nome completo: Aloysio Silva Araújo
Nasceu: 18/06/1910 – Nova Friburgo – RJ
Faleceu: 03/06/1974 – São Paulo – SP 

Neto do fundador do Laboratório Silva Araújo – criador do Vinho Reconstituinte Silva Araújo –, Aloysio [cuja grafia do nome também é encontrada como Aloísio e Aluísio] chegou a fazer até o 4º ano da faculdade de Direito. Porém, com o falecimento de sua mãe o fez largar a faculdade, pois estava lá apenas para contentá-la. Daí para frente passou a se dedicar exclusivamente à sua verdadeira paixão: a música, através do piano. 

1951 Aloysio Jornal das Moças 3  ao piano 2

Entrou para o rádio em 1933, como pianista, na Rádio Educadora do Brasil-RJ.

1933 Aloysio programa OK

Jornal “A Batalha” – 1934

No entanto, uma queda durante um jogo de futebol o impediu de continuar tocando piano. Mas não o impediria de escrever à máquina. Tanto é que em 1934 estrearia pela Rádio Cajuti-RJ – PRE-8 – uma das suas mais famosas criações: Cadeira de Barbeiro.

1934 DN Aloysio cadeira de barbeiro cajuti

Diário da Noite – 1934

Em 1936 veio para a Rádio São Paulo, PRA-5, participando do programa “Teatro Alegre”,  onde criou e interpretou novo personagem de sucesso: Seo Libório, o bêbado.

1939 Aloysio o seu libório

O Carioca – 1936

Mesmo assim, não abandonava a música, compondo canções que seriam gravadas por vários cantores e cantoras.

1939 Aloysio compositor

O Carioca – 1936

Em 1941 trouxe de volta o programa que lhe traria o sucesso definitivo no rádio brasileiro: Cadeira de Barbeiro. Em Cadeira de Barbeiro, Aloysio interpretava Papanatas – o fígaro – , que comentava sobre a situação do país com seu cliente. Sua primeira “vítima” foi Manoel de Nóbrega, que se tornou parceiro em diversas outras empreitadas.

Aloysio e Nóbrega - 1944 - DN

Dia´rio da Noite – 1944

Cadeira de Barbeiro era uma crítica ao momento político, social e econômico. Retratava o que acontecia na cidade e no país. Seu sucesso foi tão grande em São Paulo que Aloysio não tardou a levá-loa para o Rio de Janeiro, que – à época – era a capital federal do país. Ali o programa  ganhou outros personagens. Além do freguês [interpretado por Otávio França], havia também o engraxate [interpretado pelo comediante Matinhos]. 

1949 Aloysio Matinho e Octávio França

Aloysio, Otávio França e Matinhos – Revista do Rádio – 1949

Papanatas, o personagem interpretado por Aloysio, recebia seus fregueses sempre com a frase “entra, não demora”. A frase tornou-se uma espécie de bordão do programa. 

1949 Aloysio 1

Revista do Rádio – 1949

 O sucesso do bordão propiciou, em 1945, a criação de uma marchinha carnavalesca de autoria de Aloysio Silva Araújo e Zé Trindade, interpretada por Aracy de Almeida e com a participação do Otávio França e o do próprio Aloysio. [OUÇA O ÁUDIO DA MARCHINHA DE CARNAVAL “ENTRA, NÃO DEMORA!” AO FINAL DE POST]  

1945 Aloysio entra não demora fon fon

Revista Fon Fon 1945

O programa Cadeira de Barbeiro foi veiculado tanto em rádio como em televisão, nos mais diversos prefixos, sempre com o mesmo sucesso.  

1946 Aloysio cadeira de barbeiro

1945 Sequência G3 1 (2)

 

 

1963 Cadeira de Barbeiro - Folha SP 11-09-1963

 Com a mesma facilidade com que criou Papanatas, Aloysio Silva Araújo criou vários outros personagens. Dentre eles está o Recrita 23,  “o soldado que já nasceu fora de forma”. Suas aventuras aconteciam em parceria com o Recruta 25, interpretado por Zé Trindade. Ambos levavam à loucura o “Seo Sarja”, o sargento interpretado por Urbano Lóes. 

1947 Aloysio e Zé Trindade na Mayrink

Zé Trindade e Aloiysio Silva Araújo nos microfones da Rádio Mayrink Veiga

 Criado em 1947, o Recruta 23 tornou-se rápido sucesso, a ponto de Aloysio interpretar seu personagem usando uniforme em pleno auditório da Rádio Mayrink Veiga.

Revista Fon-Fon 1953

Revista Fon-Fon 1953

 

1951 Aloysio recruta e atores

Urbano Lóes, Geraldo Carvalho, Aloysio e Macedo Neto durante exibição do programam Recruta 23. Revista Fon Fon – 1951

O recruta também foi transformado em fantasia e em marchinha para o carnaval de 1952, interpretada por Linda Rodrigues, uma composição de Zé Trindade e Aloysio Silva Araújo.

1952 Aloysio fantasia de recrita 23

Mas, nem tudo foram flores. Ao mesmo tempo em que o Recruta 23 alcançava altos índices de audiência no rádio muita gente sentia-se desconfortável com a sátira do personagem.

1952 Aloysio Fon-Fon 2360 pg 50 recruta 23 ameaçado de morte 1 - Cópia (30499225)

Isso fez com que Aloysio abandonasse o personagem, fato que ganhou capas e páginas de revista na época. 

1952 aloysio recruta 23 d

 

 

1959 Aloysio Silva Araújo o homem proibido 1

1961 Aloysio RR

 Não era a primeira vez que Aloysio sentia a mão forte da censura. O Recruta 23, o “fígaro” Papanatas e vários de sues personagens sofreram por causa das críticas que Aloysio colocava em seus textos.  

aloysio desabafo do proibido

Mas esses inconvenientes não eram capazes de frear sua criatividade nem sua sensibilidade. Aloysio continuava escrevendo…

1951 Aloysio Jornal das Moças 3 - Cópia (30499225)

.. e continuava sendo o mesmo pai de uma família adorável….

1946 Cadeira de Barbeiro Aluísio marcos fernando d lúcia e marta

1946 – Aloysio coma esposa, D. Lúcia, e os filhos Marcos, Fernando e Marta.

1952 Aloysio e famílçia jogo de botão

1952 – Aloysio diverte-se com a família jogando futebol de botão

… assim como continuava atuando como comediante em seus programas radiofônicos.

1951 Aloysio Fon-Fon foto recruta 23 - Cópia (2)

Aloysio, Selma Lopes, Neyda Rodrigues e Radamés Celestino durante exibição de um programam na Rádio Mayrink Veiga.

1945 Sequência G3 3

Urbano Lóes (o 1º à esquerda), Max Nunes (o 3º da esquerda para a direita) e Aloysio (o último à direita) em tempos de Sequência G# na Rádio Tupi do Rio.

Por causa do seu jeito amável e sempre simpático, era querido e respeitado por produtores, diretores e artistas. 

1945 Sequência G3 2

Aloysio: amabilidade e simpatia

Não houve quem não atendesse a qualquer pedido seu nem quem não defendesse com vontade e bom humor os seus textos.

1951 Aloysio e ciro monteiro fon fon 2

O cantor Ciro Monteiro e Aloysio Silva Araújo – 1952

1959 Aloysio e Chocolate em lotação ponto 5 tv paulista

Aloysio Silva Araújo contracena com o comediante Chocolate – TV Paulista – 1959 – Programa Lotação Ponto 5

1961 Aloysio e J Silvestre TV Rio o riso é o limite

Aloysio Silva ARaújo e o apresentador J. Silvestre – TV Rio – O Riso é o limite

1961 Aloysio e Maria Helena TV Rio O riso é o limte

Aloysio Silva ARaújo e a atriz Maria Helena – TV Rio – 1961 – O riso é o limite

 Aloysio passou por várias emissoras do Rio e de São Paulo, dentre elas: Rádio São Paulo, Rádio Cultura, Rádio Tupi-SP, Rádio Mayrink Veiga, Rádio Tupi-Rio, Rádio Nacional-RJ, Rádio Record, Rádio Nacional-SP, Rádio Bandeirantes, TV Paulista, TV Tupi, TV Rio, TV Excelsior. – ora criando novo programa, ora participando de programas apenas como autor. 

1940 Aloysio zé com sede pgm do almoço o iMPARCIAL1945 Folia na taba Aloysio dn1949 aloysio na band colégio1949 Aloysio na band restaurante  jornal de notícias1950 Aloysio expresso da alegria1951 aloysio 3 pgms na pra 91951 Sloysio cartas para Inácio1952 Aloysio e Leporace na record1955 aloysio aqui está o palco1955 aloysio e nóbrega banquete1957 Aloysio SP num te guento  Chocolate Farid Golias Walter Ribeiro - Cópia (30499225)1958 Aloysio e Peruzi miss campeonato1959 aLOYSIO E gOLIAS1959 Aloysio sp num te guento1960 Aloysio substitui Nóbrega na praça1960 Criação de Aloysio a Família BB1953 aloysio mesa quadrada 11953 aloysio mesa quadrada 21960 Produções de Aloysio em 19601961 Aloysio Silva Araújo 1961 (2) - Cópia1963 aloysio e zilda1965 Aloysio com Bibi

Uma curiosidade: quando em 1956 esteve à frente da direção artística da Rádio Clube de Ribeirão Preto, a famosa PRA-7, Aloysio apostou que no duelo Come-Fogo [Comercial x Botafogo de Ribeirão Preto], o Comercial, clube pelo qual tinha simpatia, sairia vencedor. Caso não o fosse, ele comeria grama em plena praça pública. Pois o Comercial perdeu, e então… 

1956 Aloysio e a aposta

Em 1964, dedicando-se à pintura, deixou seis quadros seus expostos na Galeria Astreia.Aos poucos foi se afastando do rádio e da tevê.  Mas teve tempo ainda de ver sua filha, Marta, iniciar a carreira de cantora.

Marta 1

Revista do Rádio 1965

Marta 2

Revista do Rádio 1965

1967 Marta silva araújo aloysio

Revista Intervalo 1967

 Faleceu em 1974 e sua morte foi sentida em todo o meio artístico. O programa “Viagens para a Vida”, apresentado pela atriz Vida Alves, pela TV Record de São Paulo, foi totalmente dedicado à sua memória. Ali compareceram Manoel de Nóbrega, Chocolate, Walter Ribeiro dos Santos, Zilda Cardoso, e vários outros artistas, com o intuito de prestarem homenagem à vida e á obra não só de um grande profissional, mas de um grande amigo.

PRINCIPAIS TRABALHOS EM HUMOR NO RÁDIO E NA TELEVISÃO:

Cadeira de Barbeiro – Rádio Cajuti-RJ – 1934

Teatro Alegre – Rádio São Paulo – 1937

Foles – Rádio Kosmos – 1939

Programa do almoço – Rádio Mayrink Veiga – 1940

Cadeira de Barbeiro – Rádio Gazeta-SP – 1941

Audições Rataplan – Rádio Tupi-RJ – 1945

Folias na Taba – Rádio Tupi-RJ – 1945

Programa Aloysio Silva Araújo – Rádio Mayrink Veiga – 1947

Programa Aloysio Silva Araújo – Rádio Nacional – 1948

Restaurante Sublime Indulgência – Rádio Bandeirantes – 1949

Colégio da Folia – Rádio Bandeirantes – 1949

Expresso da Alegria – Rádio Bandeirantes – 1950

Recruta 23 – Rádio Mayrink Veiga – 1951

Ritmo  e Alegria – Rádio Mayrink Veiga – 1951

O bonde de São Januário – Rádio Mayrink Veiga – 1953

Memórias de dois ladrões – Rádio Record  – 1952 

Mesa Quadrada – TV Tupi – 1953

Restaurante Sublime Indulgência – Rádio Nacional-RJ – 1953

Jackie, O Recruta – Rádio Tupi-RJ – 1953

As cartas de Inácio – Rádio Tupi-RJ – 1953

Rio, cidade aberta – Rádio Tupi/Tamoio-RJ – 1954

Janela Aberta – Rádio Nacional-SP – 1955

Banquete dos Astros  – Rádio Nacional-SP – 1955

Cadeira de Barbeiro – Rádio Nacional-SP – 1955

Aqui está o palco – Rádio Nacional-SP – 1955

Recruta 23 – TV Paulista – 1955

Levertimentos – Rádio Mayrink Veiga – 1957

A cidade se diverte – Rádio Mayrink Veiga – 1957

Miss Campeonato – Rádio Mayrink Veiga – 1957

Largo do Arroz – TV Paulista – 1958

Aloysio e suas garotas – TV Paulista – 1958

Miss Campeonato – TV Paulista – 1958

Godofredo – TV Paulista – 1959

Noite de Gala – TV Rio – 1959

Drops do Dia – TV Paulista – 1959

Lotação Ponto Cinco  – TV Paulista – 1959

Super Show – TV Tupi-Rio – 1959

Rio Num Te Guento – TV Rio – 1959

Alegria Sadia – Rádio Nacional-SP – 1959

Comédia, Pão e Manteiga – TV Paulista – 1960

Milhões de Napoleões – TV Paulista – 1960

Praça da alegria – TV Paulista – 1960

Humor em Grãos de Ouro – TV Paulista – 1960

São Paulo Num Te Guento – TV Paulista – 1960

O Grande Espetáculo – TV Paulista – 1960

Super Show – TV Tupi – 1960

O Riso é o limite – TV Rio – 1960

Bar do Ponto – TV Paulista – 1961

Sequência em Ri Maior – TV Paulista – 1962

Noturno em Ré Maior –  TV Paulista-SP – 1962

Cadeira de Barbeiro – TV Paulista – 1963

O Esquema é Nancy – TV Rio – 1963

A cidade se diverte – TV Excelsior – 1963

Confusão em Bang-Bang – TV Rio – 1963

Zilda Cardoso em 23 polegadas – TV Paulista – 1963

Zilda vale um show – TV Paulista – 1964

Você vale um show – TV Paulista – 1964

Show Riso – TV Excelsior – 1967

Aquela feliz cidade – TV Excelsior – 1968

Galeria – TV Excelsior – 1969

Clique no player e ouça a marchinha “Entra, Não Demora!” do carnaval de 1952 e ouça  – além de interpretação da cantora Aracy de Almeida – Aloysio Silva Araújo como Papanatas contracenando com Otávio França. 

 

 

FacebookTwitterGoogle+

Write a Reply or Comment